Análise envoltória de dados na ótica do desenvolvimento sustentável: Mato Grosso do Sul, Brasil (1991-2010)
PDF
XML

Cómo citar

Castelão, R. A., Souza, C. C. de, & Frainer, D. (2021). Análise envoltória de dados na ótica do desenvolvimento sustentável: Mato Grosso do Sul, Brasil (1991-2010). Economía Sociedad Y Territorio, 21(66), 539-568. https://doi.org/10.22136/est20211595

Resumen

Este artigo procurou analisar as condições do desenvolvimento sustentável de 78 municípios de Mato Grosso do Sul com variáveis agregadas em três dimensões: ambiental, social e econômica. O objetivo foi calcular o índice de desenvolvimento sustentável municipal (IDSM) nos três anos censitários (1991, 2000 e 2010) e, com isso, analisar se as localidades cresceram de forma sustentável ou não. Utilizando o método de análise envoltória de dados (DEA), inicialmente, foi calculado um modelo DEA com retornos variáveis de escala (VRS) para cada dimensão e cada ano e, após isso, o cálculo do indicador global de sustentabilidade. Os resultados apontaram que, embora os municípios tenham registrado melhora no desenvolvimento econômico e social, a dimensão ambiental registrou diminuição entre os anos de 2000 a 2010, mesmo tendo evoluído positivamente entre 1991 e 2000. Os valores médios dos IDSM’s nos anos de 1991, 2000 e 2010, de 0,55, 0,74 e 0,58, respectivamente.  

https://doi.org/10.22136/est20211595
PDF
XML

Citas

Alho, Cleber JR. y Sabino, José (2011), “Uma agenda de conservação para a biodiversidade do Pantanal”, Brazilian Journal Biology, 71 (1), São Carlos, Instituto Internacional de Ecologia, pp. 327-335,doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842011000200012

Angulo-Meza, Lidia (2005), “ISYDS - Integrated System for Decision Support (SIAD Sistema Integrado de Apoio a Decisão): A Software Package for Data Envelopment Analysis Model”, Pesquisa Operacional, 25 (3), Florianópolis, Sociedade Brasileira de Pesquisa Operacional, pp. 493-503, doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-74382005000300011

Aydos, Leonardo y Figueiredo Neto, Leonardo Francisco (2019), “Índice bruto de sustentabilidade dos municípios de Mato Grosso do Sul”, Interações, 20 (1), Campo Grande, Universidade Católica Dom Bosco, pp. 35-49, doi: http://dx.doi.org/10.20435/inter.v0i0.1681

Banco Mundial (2010), Relatório sobre o desenvolvimento mundial de 2010, Washington D.C., Editora Banco Mundial.

Bellen, Hans Michel van (2006) Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa, Río de Janeiro, Editora FGV.

Brundtland, Gro Harlem (1987), Nosso futuro comum. Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, Nueva York, ONU.

CEPAL (Comissão Econômica para América Latina e Caribe) (2016), Cambio climático, políticas públicas y demanda de energía y gasolinas en América Latina, Santiago, Cepal.

Constantino, Michel (2016), “Desempenho regional do IDH e do PIB per capita dos municípios de Mato Grosso do Sul, Brasil, entre 2000 e 2010”, Interações, 17 (2), Campo Grande, Universidade Católica Dom Bosco, pp. 234-246.

Charnes, Abraham (1978), “Measuring the efficiency of decision making units”, European Journal of Operational Research, 2 (6), Londres, Elsevier, pp. 429-444, doi: http://dx.doi.org/10.1016/0377-2217(78)90138-8.

Cracolici, Maria Francesca; Cuffaro, Miranda (2010), “The Measurement of economic, social and environmental performance of countries: A novel approach”, Social indicators research, 1, Londres, Springer, pp. 339-356, doi: https://doi.org/10.1007/s11205-009-9464-3

Fagundes, Mayra Batista Bitencourt (2017), “Desenvolvimento econômico do estado de Mato Grosso do Sul. Uma análise da composição da balança Comercial”, Desenvolvimento em questão, 39, Ijuí, Editora Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, pp. 112-140, doi: https://doi.org/10.21527/2237-6453.2017.39.112-140

Farrell, Michael James (1957), “The measurement of productive efficiency”, Journal of the Royal Statistical Society, 120 (3), Londres, Royal Statistical Society, pp. 253-278, doi: http://dx.doi.org/10.2307/2343100

Ferreira, Amanda Estefania de Melo; Vieira, Ima Celia Guimaraes (2018), “Sustentabilidade urbana na região metropolitana de Santarém, Pará, Brasil nos anos 2000 e 2010”, Economía, sociedad y territorio, 18 (58), Zinacantepec, El Colegio Mexiquense, pp. 763-795, doi: http://dx.doi.org/10.22136/est20181238

Graciollo, Gustavo; Roque, Fabio de Oliveira; Farinaccio, Maria Ana; Souza, Paulo Robson; Pinto, João Onofre Pereira (2017), “Biota -MS: montando o quebra-cabeça da biodiversidade de Mato Grosso do Sul”, Iheringia, 107, Porto Alegre, Editora Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, pp. 1-7, doi: http://dx.doi.org/10.1590/1678-4766e2017100

Gomes, Eliane Gonçalves; Mello, João Carlos Correia Baptista Soares de; y Mangabeira, João Alfredo de Carvalho (2009), “Estudo da sustentabilidade agrícola em município amazônico com análise envoltória de dados”, Pesquisa Operacional, 29 (1), Florianópolis, Sociedade Brasileira de Pesquisa Operacional, pp. 23-42.

Hardi, Peter y Hodge, Tony (1997), “Measuring sustainable development: review of current practice. Research Publications Program”, documento de trabalho número 17, Ottawa, International Institute for Sustainable Development.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografía e Estatística) (2016), Estados, Río

de Janeiro, IBGE.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografía e Estatística) (2010a), Dados dos

municípios, Río de Janeiro, IBGE.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografía e Estatística) (2010b), Microdados do Brasil, Río de Janeiro, IBGE.

IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change) (2019), “Special report on climate change, desertification, land degradation, sustainable land management, food security, and greenhouse gas fluxes in terrestrial ecosystems”, documento de trabajo, Londres, IPCC.

IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change) (2014), Climate Change, Ginebra, IPCC.

Lima, Ana Carolina; Assis, Jorge; Sayanda, Diogo; Sabino, José e Oliveira, Rui F. (2014), “Impact of ecotourism on the fish fauna of Bonito region (Mato Grosso do Sul State, Brazil): ecological, behavioural and physiological measures”, Neotropical ichthyology, 12 (1), Porto Alegre, Sociedade Brasileira de Ictiologia, pp. 133-143, doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1679-62252014000100014

Lira, Waleska Silveira y Cândido, Gesinaldo Ataíde (2008), “Análise dos modelos de indicadores no contexto do desenvolvimento sustentável”, Perspectivas Contemporâneas, 3 (1), Campo Mourão, Universidade Federal de Santa Maria, pp. 31-43.

Lovell, Charles Albert Knox (1994), “Linear programming approaches to the measurement and analysis of productive efficiency” Top, 2 (2), Londres, Springer, pp. 175-248, doi: https://doi.org/10.1007/BF02574810

Martins, Maria de Fatima e Cândido, Gesinaldo Ataíde (2008), Índice de Desenvolvimento Sustentável para Municípios (IDSM): metodologia para análise e cálculo do IDSM e classificação dos níveis de sustentabilidade – uma aplicação no Estado da Paraíba, João Pessoa, Sebrae.

Martins, Maria de Fatima e Cândido, Gesinaldo Ataíde (2012), “Índices de desenvolvimento sustentável para localidades: uma proposta metodológica de construção e análise”, Revista de Gestão Social e Ambiental, 6 (1), São Paulo, USP, pp. 3-19, doi: https://doi.org/10.24857/rgsa.v6i1.229

Meadows, Donella (1998), International Institute for Sustainable Development, Canadá, The Sustainability Institute.

Mueller, Charles Cary (2005), “O debate dos economistas sobre a sustentabilidade – Uma avaliação sob a ótica da análise do processo produtivo de Georgescu-Roegen”, Estudos Econômicos Ambiental, 35 (4) São Paulo, USP, pp. 687-713.

OECD (Organización para la Cooperación y el Dessarollo Económico) (2001), Measuring Productivity: Measurement of aggregate and industry-level productivity growth, París, OECD.

ONU (Organización de las Naciones Unidas) (2013), United Nations sustainable development knowledge platform, Nueva York, UN Sales Publication.

ONU (Organización de las Naciones Unidas) (2007), Indicators of Sustainable Development: guidelines and methodologies, Nueva York, UN Sales Publication.

Peña, Carlos Rosano (2012), “Eficiência e impacto do contexto na gestão através do DEA”, Revista Produção, 22 (4), São Paulo, Associação Brasileira de Engenharia de Produção, pp. 778-787, doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132012005000086

Pereira, Marlos da Silva; Sauer, Leandro y Fagundes, Mayra Batista Bitencourt (2016), “Mensurando uma sustentabilidade ambiental: uma proposta de índice para o Mato Grosso do Sul”, Interações, 17 (2), Campo Grande, Universidade Católica Dom Bosco, pp. 327-338, doi: http://dx.doi.org/10.20435/1984042X2016215

Pires, Sara Moreno; Fidelis, Teresa y Ramos, Tomas Barros (2014), “Measuring and comparing local sustainable development through common indicators: Constraints and achievements in practice”, Cities, 39, Londres, Elsevier, pp. 1-9, doi: https://doi.org/10.1016/j.cities.2014.02.003

Pupphachai, Umaporn y Zuidema, Cristão (2017), “Sustainability indicators: A tool to generate learning and adaptation in sustainable urban development”, Ecological Indicators, 71, Londres, Elsevier, pp. 784-793, doi: https://doi.org/10.1016/j.ecolind.2016.09.016

PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) (2013), Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Brasileiro, Brasilia, Editora PNUD.

Queiroz, Fábio Albergaria (2009), “Meio ambiente e comércio internacional: relação sustentável ou opostos inconciliáveis? Argumentos

ambientalistas e pró-comércio do debate”, Contexto Internacional,

, Río de Janeiro, PUC, pp. 251-283.

Réus, Iuana y Andion, Carolina (2018), “Gestão municipal e desenvolvimento sustentável: panorama dos indicadores de sustentabilidade nos municípios catarinenses”, Desenvolvimento em Questão, 16 (45), Porto Alegre, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, pp. 97-117, doi: https://doi. org/10.21527/2237-6453.2018.45.97-117

Ricklefs, Robert (2013), Economia da Natureza, Rio de Janeiro,Guanabara Koogan.

Rossato, Marivane Vestena e Lima, João Eustaquio de. (2008), “Qualidade ambiental e qualidade de vida nos municípios do Estado do Rio Grande do Sul: associação e diferenças regionais”, Revista de Desenvolvimento Econômico, 1 (17), Salvador, Universidade Salvador, pp. 49-57.

Santana, Naja Brandão; Aparecida do Nascimento Rebelatto, Margarida; Périco, Ana Elisa e Mariano, Enzo Barbeiro (2014), “Sustainable development in the BRICS countries: an efficiency analysis by data envelopment”, International Journal of Sustainable Development & World Ecology, 21 (3), Filadelfia, Taylor & Francis Inc, pp. 259-272, doi: https://doi.org/10.1080/13504509.2014.900831

SEMAGRO (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) (2020), Produto Interno Bruto estadual 2010-2018, Campo Grande-MS, Semagro/MS.

SEMAGRO (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) (2012), Banco de Dados do Estado, Campo Grande-MS, Semagro/MS.

STN (Secretaria do Tesouro Nacional) (2010), Banco de dados dos municípios, Campo Grande-MS, STN.

UNESCO (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization) (2000), Convention concerning the protection of the world cultural and natural heritage, París, Cairns.

Licencia Creative Commons
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.